DEPOIS DA CACHAÇA: A CAIPIRINHA

A caipirinha, segundo a legislação brasileira, “é a bebida típica brasileira, exclusivamente elaborada com cachaça, limão e açúcar”. A sua origem é incerta e a sua história confunde-se com a da cachaça.

Em meados do século XVI, embora os colonos ignorassem as frutas da nossa terra, elas eram consumidas em abundância pelos escravos e índios. Nas festas, os escravos bebiam a garapa (suco da cana ainda não fermentado) e misturavam frutas ou suco das frutas no caldo de cana. Mais tarde, as festas começaram a ser animadas pela cachaça que, misturada ao suco das frutas, originou a “batida”. Como as frutas cítricas davam um saboroso contraste ao suco de cana, talvez o limão possa ter sido uma das frutas eleitas para serem misturadas à garapa – e, mais tarde, à cachaça –, já que o limão chegou aos engenhos brasileiros nesta época, introduzido nas Américas por Colombo.

Mas a cachaça era usada também como remédio e a caipirinha pode ter nascido a partir de uma receita simples contra a gripe: misturava-se à cachaça mel, alho e limão galego para curar os resfriados. Para aprimorar e adocicar o poderoso remédio, o mel foi substituído pelo açúcar, o alho foi retirado da receita e a bebida migrou dos balcões das farmácias para os dos bares e restaurantes com o nome de caipirinha. Uma pista de que a caipirinha possa ter surgido no interior de São Paulo, no século XVIII, é o uso do termo paulista “caipira”, que designava a “habitante do campo”. A palavra caipira tem origem em “caipora”, da língua Tupi, que significa “habitador do mato”.

Independente de sua origem, a caipirinha é hoje um drinque conhecido internacionalmente, incorporado ao nosso folclore e à vida cotidiana, com propriedade intelectual garantida por lei.

17-08-2010
suporte

Deixar uma Resposta